quarta-feira, 24 de junho de 2009

ta bom eu nao conto fulozinha... Vai que é mesmo né.
Beijos e saudades de dar nó!

O primeiro Renew a gente nunca esquece!


Começou ontem a experiência com o Renew, é meus caros, isso mesmo.
Interessante que hoje meu professor falou na natação:

- Mas tu é mesmo bonita até debaixo dágua!

Mesmo ele sempe usando essas gracinhas de galanteador de cantina, eu vi que hoje foi sincero. O Dito Renew fez efeito ! Após 6 horas de sono acordei digamos que, novinha.Lisinha, pele de pêssego mamãããããe!

Hora de trabalhar pra poder pagar o creminho !

Bom dia para todos e All the best to you!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Carta de mãe



Compreendi, perfeitamente, o que você contou sobre vocês.Tive relações que também não floresceram. Culpa de ninguem. Algumas pessoas nos são devolvidas, tempos depois, e com o solo adubado pela vida florescem. Outras desaparecem. O importante é estar aberta e livre para novos vínculos e acreditar e apostar neles. Muitas vezes somos nós que abrimos as estrada e trilhas para chegar ao outro. Outras vezes são os outros. Conselhos???? Acho que nenhum---voce já sabe tudo. Mas....coma um docinho, reveja um filme do Carlitos e lembre-se que voce é jovem, linda e boa.Que você é uma encantadora de Morenos e que a mamãe te ama muchisimo.
Buenos dias Caperucita!!!!Aproveite esta paixão mais uma vez!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Flores brancas, Paz e Iemanjá !!!

W.C.T chegandoooo e promentendo né my boy???? kisses no obliquo !!!

Chacras em desiquilíbrio

E Deve ser dificil viver com uma máscara que nunca cai.
Deve ser impossivel ser feliz de fato com uma felicidade inventada. Tudo em tua vida é inventado. Teu presente é inventado tua infância, teu passado.
Tu parecias tão forte, tão dona de si e de todo mundo me enfrentando como uma Mulher.

Acabou o teatro?
Abaixou a guarda?

Tá frágil, na mão de alguem que nem gosta de vocè assim. Tu que se mostrou tão dona de sí.
Tão inteligente.
Hoje sofre por um sentimento que te faz rastejar aos pés de outro.
Não sei até quando, não sei por qual motivo, mas eu sei que alguma coisa em ti há de que dói tanto.
Menina não brinca com isso.
Não vê que todo mal que vai, tambem vem?
Teu tempo ta passando.Que papelão.
Que papelão ridículo que voce ta fazendo se expondo menininha.
Pare de dissimular mocinha !

Viva a sua vida Mulher Maravilha .

Você não tem que provar nada para ninguém a não ser a você mesma! Eu sei que gosta de ler meus textos minhas páginas, mas infelizmente não são para você.
Mesmo que entendas tanto de literatura,ele não tem o seu endereço "princesinha Hippie".

Vá andar com teu all star, mas em outra direção Baby girl!

Tira essa mentira do teu rosto, cresce menininha. Tu já és uma mulher

(esta homenagem é para uma leitora assídua, que nao perde um post meu, uma atualizaçao só, esta sempre preocupada comigo e com a minha concordancia verbal.Com meus seriados, minhas novelas, minha vidinha humilde.
Ah, tanta coisa que se contar ninguem acredita.

Ela tem mania de perseguiçao, vive num tormento e uma catastrofe emocional)

Como uma boa escritora, não poderia deixar de comentar né meus mi trocitos de su)

.



Te prometo um livro autografado! hahaha

...

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Gossip Girls


Elas chegam produzidas.Sempre!!!

Gloss na boca e cheiro de perfume.
O casaco na mão direita e a bolsa lotada de cacarecos, na esquerda.
Logo o ritual começa: a comida que tiver na geladeira vai pro micro enquanto a Suelen começa a falar, espirituosamente de coisas prosaicas. Pluft.

Chimarrao,suco,vinho, coca, água oque tiver pra beber e aliviar o ácido da saliva.
A Caren bate palmas quando dá risada, enquanto a Caru conta das peripércias de se trabalhar numa lojinha fina e chata. “Ih ... já acabou o vinho? O refri? Sem problemas, a gente bebe agua ou oque encontrar”.

Papo vai, papo vem, as novecentas prospecções, fofocas do mundo real, a novela - porque não? Harebaba, quanta bobagem gostosa. A comidinha está no ponto. A Carú com os cílios que fazem vento, adverte as amigas,fala que ta magra demais, come tudo que encherga e a Suelen come juntinho falando, Pàra carú tu nao pode comer tanto sem fazer exercicio, vai ficar gorda, nao come antes de dormir, vai pra academia carú, me da uma bolachinha, hnmn com queijo e presunto fica bom né?A cazinha em silencio pede colo..

Eu acabo deixando escapar coisas que deixei de conta-la com medo que ela metralhasse qualquer canalha que passasse na frente dela.
Porque ela Amaldiçoa mesmo!
Desgraçado, porque tu nao me contou? Ah amiga, (pensei que tinha contado....)

Mil janelas no msn comunitario e muita risada. Cadê a Paula? Um minuto de silêncio para nossas amigas ausentes da nossa panelinha maravilhosamentenaocombinada hahaha.

São as minhas “gossip girls” -um pé aqui, outro em londres, outro na baladinha. Das abobrinhas e os jantares em casa,do Mac no friozinho,das sextas dançantes na pista Kimik, passando pelas madrugadas berrantes no carro cantando músicas de amor.
As nossas tocaias homéricas seguidas de uma cervejinha, hein?

Porque eu nao consigo contar uma história sem me levantar e fazer mimica? hahaha? Eu falo com as mãos é engraçado isso hahaha....

Minhas “gossip-girls”. É a Cah , que me puxa pelo braço quando eu estou quase caindo na ladainha: “Ah cazinha, você já estava toda na pontinha do pé, falando com ele, não vou deixar”.Ela poe ódio em que me maltrata roga praga tambem. Eu ponho quebrante em quem incomoda elas todas.

Tá bom, Lu. São as nossas noites por aí tambem. Super finas, mesmo. Bebendo 8 garrafas de vinho - meio da semana- em qualquer lugar que tiver .
É a Paula, minha morena informada, que esbanja charme, tem as melhores histórias e atrapalha o coração dos rapazes. É meu SOS Cazinha, que fala : “Minha princesa , vem que eu te salvo”.
Empresta roupa uma hora antes "deumafestaboaquesotemgatopeloamordedeus", me resgata nas madrugadas desconfortáveis.A carú pensando nas roupinhas e apresentando colegas lindos pra gente. (detalhe:mudos e surdos) Fotos, flagras e até cartoezinhos com telefones , levam para casa, entre os olhares apaixonados dos meninos.

O que eu faço com essas minhas gossips do Paraguay? Que têm glamour de pé- de- serra? Bebem champangne mas caem no samba ou no funk .Vai churrasco, vem praia,nossas reunioezinhas na cazinha, elas me seguem né? Eu vou atraz de uma doçurinha sempre lá. Troca de emoctions e musicas engraçadas, pic -nic, empresta empresta. Paixões de plantão, essas meninas. Registram o coração de ponta a ponta, mapeam toda as neuroses da cabecinha e ainda falam as coisas certas. Sem nunca perder essa graça toda.

Gurias , não cabe, é muito amor.




Su.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Você!

E você me abraça e faz eu sentir que mais nada importa. Abraça e eu esqueço do resto e foco só ali, não meço palavras nem controlo gestos.

Abraça que eu já me sinto bem. Abraça e eu já fico bem. Abraça e parece que nada importa. Abraça e nada mais importa. Abraça que depois eu vou trabalhar toda faceira. Abraça que eu fico toda menina querendo mais abraço. Abraça que o mundo fica pequeno. Abraça e eu fico acordada até demanhã sem achar ruim.Abraça no meio da noite e eu fico esmagada com o peso dos seus braços e nao acho ruim. Abraça e diz que são 7 e 15. Abraça e diz boa noite. Abraça e diz bom dia. O abraço mais quente do mundo. O abraço que eu sentia saudade.Um abraço com cheiro de praia.Um abraço bronzeado. Uma voz linda. Um abraço e um beijo bem gostoso de boa noite!

quarta-feira, 10 de junho de 2009


Eu queria ser famosa. Estampar as capas das revistas com minha felicidade instantânea e dizer que estou ótima depois de um mês traumático.Queria ir pro Big Brother e fazer melhores amigos em uma semana.
Queria que, quando alguém me chamasse de gostosa, isso fosse um elogio ao meu caráter e não um “eu te comeria se você me desse mole”. É provável que eu fosse mais feliz assim.

Mas eu sou tradicional. Sou convencional, apesar de não ser normal. Se eu me corto, eu sangro. Se bato o dedo no pé da mesa, dói. Sou uma pessoa comum. Acredito no até que a morte nos separe e também no eterno enquanto dure. Acredito que, se eu sou capaz de ser fiel, alguém mais pode ser. Valorizo as pequenas atitudes, assim como condeno pequenas mancadas. Não sou rancorosa, nem guardo por anos uma coisa que me magoou de verdade. Sei perdoar. Passo por cima dos erros pra ficar junto das pessoas que eu gosto. Tenho meus limites. O primeiro deles é meu amor-próprio. Perdôo uma vez, porque errar é humano. Perdôo duas porque o ser humano é estúpido às vezes. Mas não posso viver perdoando porque isso seria incompetência minha.

Acredito que as pessoas aprendem com os próprios erros e com o tempo. Acredito também que quem traiu uma vez e foi perdoado vai trair de novo. Acredito que aquelas pessoas que vivem falando mal dos outros vão falar mal de você com esses outros. Acredito que as pessoas só mudam por vontade própria e nunca pelo pedido de outra pessoa. Acredito que tudo que eu acredito hoje vai mudar com o tempo. E que, no futuro, talvez, eu acredite em menos coisas. Ou em nada mais.


Nunca vendi meu corpo, nem nunca sequer considerei essa possibilidade. Eu sei exatamente o tipo de homem que sai com puta. E esse tipo me dá náusea.Desprezo esse tipo de homem. Nunca precisei experimentar drogas pra pertencer a nenhum grupo. Me dou bem com todo tipo de gente e as pessoas costumam gostar de mim apesar do que eu sou. Tenho verdadeira repulsa por homem mulherengo. Detesto aquele tipinho “caminhoneiro” (que fala pra esposa que tem uma em cada ponto, mas ela é a única que ele ama). Detesto mulher corna que se explica pras pessoas “mas ele me ama”. Sexo com outras pessoas só é perdoado quando é o homem que faz. Detesto homem machista. Detesto o tipinho que vai pra farra enquanto a mulher tonta espera em casa. Detesto mulher tonta.


Eu queria ser famosa pra fingir que não sinto dor. Pra fingir que sou perfeita na capa das revistas masculinas. Pra fingir que não preciso fingir. Queria ser famosa pra ser uma fruta e não uma cabeça que pensa. Mas escrever nunca deu dinheiro, nem capa de revista, nem melhores amigos no Big Brother. Escrever é pra pessoas de quinta como eu, que não vão fazer seu primeiro milhão vendendo o que tem no meio das pernas pra adolescentes de 30 anos de idade.Estou prestes a publicar meu primeiro dos tres livros ja prontinhos e fico pensando na sessão de autógrafos,nos amigos que vão estar, mas nem longe de isso me fazer ficar famosa. Queria ser famosa pra experimentar uma vida que, dizem por aí, é melhor que a minha. Queria ser famosa pra ver que melhor mesmo é ser eu , simples assim....

terça-feira, 9 de junho de 2009

Linda de qualquer jeito!

Bom agora são 7: 25 pm, e estou saindo da loja,ainda tenho um bom roteiro ate a hora de dormir mas antes de ir eu tinha que escrever que hoje, Especialmente hoje, eu acordei me achando "linda de qualquer jeito". Como minhas amigas dizem, como minha mãe diz, como meu irmão diz, como os boys dizem: Voce fica linda de qualquer jeito.

Eu nunca levei isso muito a serio, até porque uma mulher alta e magra, mesmo sendo feia, se caprichar no visu fica bonitinha né?
Bonitinha minha gente mas eu repito, hoje eu to me achando Linda de qualquer jeito, na hora de sair vesti tres calças e todas ficaram lindas, eu prendi o cabelo, soltei cabelo, coloquei decote, coloquei capuz e pasmem: continuei me sentindo linda.
Não sei oque aconteceu, mas hoje eu estou linda!
Pena não ter uma camera para provar isso agora.

E adorei me sentir assim "linda de qualquer jeito".
Será que eu eu sempre fui assim e não percebi?

besos

segunda-feira, 1 de junho de 2009

queria te contar tanta coisa ( ou cousas como vc teimava em falar);
queria te contar que cresci, estou até mais magra, e não sou tão morena como vc achava que eu seria, nem tão linda como vc esperava (embora tenho certeza que vc acharia).
como vc profetizou sou como vc uma apaixonada pelas palavras
meus olhos não ficaram verdes como os seus, eles tem um tom meio amarelo, meio catsanho que acompanham a cor do meu cabelo;
meu cabelo , de que vc tanto se orgulhava, continua igual
voltarei para jornalismo por influencia póstuma que seus livros me deixaram, só me queixo da falta de algumas obras clássicas, que gostaria de discutir com vc, na mesa de jantar.
seus discos me invadirama a mente ,marcaram minha infancia e adolescencia e provavelmente todos os anos da minha vida que se seguiram.
me pego lembrando de seu andar , todos dizem que pisamos firme igual.
minhas costas tem as mesmas pintas que as suas um dia tiveram, lembrança da velocidade imensamente rápida com que cresci.

queria conversar com vc, queria que me desse broncas e me dissese o que não fazer,
sua falta me fez desacreditar em deus por um tempo , sua falta me fez desacrediatr em mim por algum tempo...
suas histórias me são passadas por todos, todos me dizem que foram seu melhor amigo.
suas histórias criaram em mim a vontade de um dia ser legal também.
gosto de brahma, e odeio a antartica que vc tomava as vezes ao chegar em casa.
não gosto de não lembrar da sua voz, não gosto de não lembrar de como era ter vc em casa.
não gosto do modo como lágrimas invadem-me quando lembro de vc , como agora.

queria pensar que um dia vou acordar e ainda vou ter 15 e vc estará cantando para me acordar como todas as manhãs "acorda maria bonita, acorda vem fazer o café, que o dia já vem raiando e apolicia está de pé" ou "india teus cabelos..."
um dia desses sonhei com vc , eu era já adulta, e vc me avisou em sonho que tinha morrido, mas mesmo assim eu disse que não tinha importancia, na hora que fui te abraçar, meus braços não davam a volta em vc , consegui relembrar a sensação que tinha quando te abraçava.


não gosto de chorar, meu olho arde;
não gosto de escrever textos tão ruins assim,
não gosto de pensar vou acordar e nao te ver
não gosto de pensar que vou passar a maior parte da minha vida sem vc,
não gosto de pensar que a Lana nem te conheceu,
não gosto de pensar que vc não vai conhecer a minha filha e chama lá de pretinha tambem
não gosto , não gosto...
Não gosto de saber que voce esta do meu lado lendo esse texto e dizendo" Vamos lá minha filha, essa melancolia nao combina com voce, vai dormir se não nao vai acordar cedo.

Te amo paizinho, saudade sempre

When you cried



Com o passar dos dias, as coisas deveriam ficar mais fáceis. Mas não ficam. A cada dia, fica mais longe o que poderia chamar de tranqüilidade. De resolução. De completo. Dizem que o tempo é o melhor remédio e eu concordo. Mas é um remédio homeopático. Custa a passar a angústia. Custa a aliviar o sentimento de pressa, de aperto. Eu mesma não sei como. Não tenho paciência com o tempo. E paciência é a única condição que ele impõe; a única súplica que ele faz. O tempo cura, mas a arma que mais fere está sempre com você, dentro de você. A sua consciência zomba da sua ingenuidade, das suas atitudes e não cansa de criticar, pressionar e machucar. “Não importa aonde você vá, você sempre estará lá”. O engraçado é que vivemos a vida inteira tentando provar aos outros nossos valores, nossa competência, nosso amor, nossa dedicação, nossa fidelidade, nossa honestidade, nossa fé e nossa verdade. Vivemos toda a vida tentando provar quem somos. Pra quem? Esquecemos que quem precisa de provas constantes, de pedidos de perdão e de tudo que passamos a vida inteira tentando mostrar, somos nós mesmos. Aceitar que os nossos valores muitas vezes são falhos; que não somos tão competentes quanto achamos; que o nosso amor é abalado mesmo que verdadeiro; que a nossa dedicação é escassa e deixa a desejar; que a nossa fidelidade pode fraquejar; nossa honestidade nem sempre tão honesta assim; ninguem da mais valor a integridade.Que a nossa fé é duvidosa; e que nossa verdade não passa de uma grande mentira. Queira amor, mas também ame. Ande ao lado de alguém, mas queira estar lá. Decida, mas não demore, pois podem decidir por você. Seja feliz, mas faça alguém feliz também. Abrace, cuide e apóie. Segure, proteja e sinta. Seja o travesseiro de alguém, ou o cobertor, mas não abra mão do seu conforto e do seu calor. Peça perdão, mas também perdoe. Perdoe a si mesmo pelos erros cometidos, pelo que fez e pelo que deixou de fazer. Aceite e se perdoe. Viva em paz. E deseje que alguém, aquele alguém, viva nesta paz !

Desculpem-me: Precisava dizer tudo isso. Pra mim mesma.
When you cried I'd wipe away all of your tears
When you'd scream I'd fight away all of your fears
And I held your hand through all of these years
But you still have all of me
Certa vez perdeu a noção do perigo, colocou o irmão pequeno sentado no cano da bicicleta e desceu correndo as 9 quadras que faltavam pra chegar em casa, furando todas as preferenciais, com o vento nos cabelos e as mãos firmes no guidão. No último cruzamento viu o carro se aproximando, mas naquele dia a sorte estava ao seu lado, e como se fosse mágica ela conseguiu frear, e caiu junto com o irmão perto do meio-fio. O homem que dirigia ficou irado, deu uma grande bronca neles e depois contou tudo para a mãe que repetiu o discurso. Mas mesmo com o coração acelerado de medo ela se salvou, reparou o dano com um pedido de desculpas e nunca mais repetiu a travessura. Nem saltou de pára-quedas.

Mais tarde perdeu a chance de ser uma boa aluna, poderia ter passado no vestibular de uma universidade pública,mas quando passou em filosofia foi vencida pela tentaçao do jornalismo e achou que só filosofar nao era o seu negócio. Mesmo quando foi fazer faculdade não se convenceu de ser capaz, estudava mais, mas invejava a habilidade da colega de classe que agora é reporter de jornal. Trocou de curso e bem lá no fim jogou a favor de si. Ganhou o jogo invertendo o placar.

Não se lembra quantas vezes tropeçou nas pedras, todas pequenas, mas sabe bem o esforço que é preciso fazer para movê-las do lugar, tirá-las do caminho. Custa muito reparar os danos, mas ela sabe que é possível.

Difícil mesmo é se livrar do vício de dizer, e ela diz qualquer coisa, em qualquer tempo. Continua perdendo as oportunidades de ficar quieta, ouvindo, muda. E não sabe como agir a respeito disso porque algo dito não pode ser mudado, e ela tropeça nas palavras soltas, rápidas, muito mais rápidas que seu pensamento. E aquele monte de letra vai ficando no vento e nem mesmo todo o tempo é capaz de dissolvê-las.

Fala tudo de uma vez, não cala, e se arrepende antes mesmo de terminar a frase mal feita.
Bem feito Suele Mônaco!
Ocorreu um erro neste gadget