quarta-feira, 21 de julho de 2010

Da série escrito no caderno e preguiça de digitar...(05/2010)

"Essa vida viu, Zé. Pode ser boa que é uma coisa. Já chorei muito, já doeu muito esse coração. Mas agora tô, ó, tá vendo? De pedra. Uma tora. Um macho. (...) Sabe Zé, no começo doeu não sentir nada. Mas eu consegui. Eu não sinto nada. Nada. Nem pena do mundo eu consigo mais sentir. Minha pureza era linda, Zé, mas ninguém entendia ela, ninguém acolhia ela. Todo mundo só abusava dela. Agora ninguém mais abusa da minha alma pelo simples fato de que eu não tenho mais alma nenhuma. Já era, Zé. É isso que chamam de ser esperto? Nossa, então eu sou uma ninja. Bate aqui no meu peito, Zé!? Sentiu o barulho de granito?"




"Eu cuidarei do seu jantar, do céu e do mar, e de você e de mim..."
Gente, to apaixonada,  ainda bem que eu sei disfarçar né? rsrs"
Aloha!


Ele me inventa todos os dias
cria personagens
me pinta
me recita
 decifra
me descreve em suas palavras
em sua escrita
mas nada se compara quando ele me dedilha
me toca, sopra, extrai sons inesperados
viro música, melodia.

domingo, 4 de julho de 2010

Mesmo que o teu blues me tire do chão, é a explosão da tua voz que me faz pegar as malas e dizer: vamos? São nas letras exageradas, no ponto fraco, no vinho  fazendo efeito as minhas maiores investidas, meus maiores acertos.
Na tua desproporcionalidade entre amor, arte  e loucura, nas tuas perspectivas que duram meia hora de melodia.
Sabe, é coisa que não tem nome ainda, mas que nem precisa de primavera para aflorar, pois,
Já fincasse raízes tuas aqui, por aqui, por ali,
por todo canto que a minha alma voe, e te ver sentado do meu lado nessa caminha que mal cabe nós dois entre Picassos e afins e tua cara de espanto quando eu digo que nunca ouvi falar de Portinari, me faz ter a certeza que temos muito o que aprender juntos.
E tu acaba de pintar  e está lendo um livro dos meus favoritos e vem deitar do meu lado e eu te peço pra sair se não eu me desconcentro, daí você pega o violão e eu não vejo outra alternativa senão escrever as ultimas frases e desligar o notebook e te encher de beijos ao ver esse teu olhar maliciosamente disfarçado...
Depois de tanto desencontro, era aquele o nosso dia. O mundo sabia. Deus e o destino sabiam. Você chegou. Na hora exata. No dia exato. Apareceu com seu abraço quente sua mente me desafiando a ser. A galáxia inteira conspirava: vá! E fomos... entendemos nossos mundos...
Palmas para a surpresa, hoje eu acordo e te vejo do meu lado...

Meus sinceros pedidos de desculpas a quem não tem nada a ver com isso, mas me senti na obrigação de explicar a minha ligeira ausência... 
Eu estou tão bem quanto nunca, e ainda não morri , nem de amor... Rsrsrs

Boa semana a todos!

Aloha!
Ocorreu um erro neste gadget