sábado, 27 de novembro de 2010

Do que não cabe em mim

Eu poderia ser sacana,pra não variar um pouco e fazer algum comentário infame sobre o título desse post...porém hoje eu não estou afim.Quem sabe amanhã eu volto aqui para falar alguma maldade sobre o que não cabe em mim..cof

Na verdade... eu caminho por aí ocupada demais com as coisas que eu preciso colocar em ordem (é eu sei...mais uma piada).Eu estou preocupada demais realmente para fazer a piada certa na hora errada.

Eu gostaria de saber exatamente o que eu tenho de interessante escrito para tirar proveito disso.Mas minhas idéias parecem tão desconexas ao menos diante dos meus olhos.Não sei o que eu quero dizer,portanto não sei o que procurar em mim,não sei o que escolher em meus textos e sequer sei se eles podem ser curiosos o suficiente para prender a atenção de alguém.
Eu me sinto voando... como uma folha.Mas não quero correr atrás dessa folha,hoje não estou com pressa como estive nos ultimos tempos.
Por outro lado,a ansiedade não me abandona junto com o vício de colocar acentuar as palavras que me interessam... eu deveria me preocupar mais com isso.Mas eu estou mesmo,preocupada com o que realmente importa em tudo o que esta escrito.
Quando eu digo que tenho diários,não é mentira.Mas eles são cadernos bonitinhos apenas que guardam pensamentos e textos muitas vezes,quase todas nada pessoais e bem fantasiosos.Não quero viver no mundo da fantasia mas ainda não tive a cara de pau necessária para escrever uma história real da minha vida.Aliás,nem acho que isso seja necessário.

Eu tenho material o suficiente para fazer o que eu quiser.. o problema é que nada é bom para mim.Então eis a questão.Tudo o que é demais,é forte,é profundo,definitivamente não cabe em mim ( essa ficou sacana)
Então tudo o que está escrito é muito mais forte do que uma breve conversa comigo em um fim de tarde ou uma madrugada qualquer.
Agora encarar a força daquelas palavras e separa-las sem sequer saber o que eu quero delas é uma tortura.Não sei se escrevo sobre mim,sobre as pessoas,sobre amor,sobre amizade.Sequer sei se meus textos aparentemente sobre amor foram apenas um momento de inpiração ou um sentimento verdadeiro... isso não inclui as coisas sobre.. deixa pra lá.

Minhas amigas nao acreditam muito que eu vá colocar as minhas idéias em ordem algum dia.
Minha mãe ainda tem esperança de que isso vá acontecer...

Mas acho que eu,particularmente,não acho necessidade em organizar a falta de organização.Talvez aquela mistura toda de sentimentos e intensidades assim,página por página de forma desconexa ao trocar a folha...pareça perfeita.

Mas ainda assim.
Eu não sei se cosigo lidar bem com a falta de conexão com a perfeição na desorganização.

Não.. não fiquei louca,ainda.
Não me sinto perdida,só um pouco confusa.

Alguém quer meus diários? hhahahaha




Continuo apaixonada pelo meu próprio namorado. Tem cabimento gente?

sábado, 13 de novembro de 2010

O casório.

Embora eu ainda não esteja casada judicialmente , evento que acontecerá em meados de 2011, a vida de casada ocupa bastante vocês sabiam ?
Lógico que sabiam né! Eu também sabia, mas não tinha pensado muito a respeito do assunto até porque nunca tive muito tempo pra nada mesmo e ter menos tempo para as coisas não é uma grande novidade já que tenho inúmeros compromissos todos os dias, desde 1982.
Todos os dias eu penso, hoje a noite depois que eu tiver feito tudo, vou sentar e escrever.
Nem sempre consigo cumprir tudo o que prometo, e escrever certamente sempre fará parte da minha vida, do meu cotidiano, um bilhetinho, os meus cadernos rabiscados, os bloco de notas no notebook, enfim, tudo diferente e tudo igual.
O que mudou? Eu não saberia explicar ao certo, porque sempre tive uma vida muito independente, sempre cuidei da minha alimentação, da minha roupa, da minha casa e agora somos dois dividindo o mesmo espaço e o mesmo sonho e a mesma cama, o mesmo chuveiro e o mesmo guarda roupa. 
Tive obviamente que guardar na minha mãe as minhas roupas, aproximadamente umas 8 malas de roupa, sapatos e bolsas e umas 5 caixas de livros. 
Nunca imaginei que eu de fato dividiria um guarda roupas de oito portas com alguém.
Nesse momento acabo de desligar o telefone, minhas amigas reunidas armando um complo maquiavélico para me sequestrar por uma noite do meu "marido".
Soa tão estranho pra mim essa palavra que vamos deixar pra comentar depois.
Tenho tentado me dividir entre trabalho, casa, janta, amigas, afilhados, sobrinhos  e ma....
Além do meu trabalho, hoje eu sou assessora de arte e produtora do Artista Plástico e Músico que vive comigo e confesso que tenho honrado meus compromissos como nem pensava em ser.
Entre tudo isso ainda tem o chuveiro que parou dois dias de funcionar, a geladeira que desligou sozinha e estragou toda nossa comida e esquentou nossa cerveja.
Tem minhas nega malucas e meu bolos maravilhosos, caso voces nao saibam eu sou uma formiga.
Uma formiga saúva, que sensual.
Eu estou pensando em uma maneira, em um tipo de persuasão bem eficaz que convença meu maridinho a me deixar usar meus biquinis e minhas saias e meus vestidos, até porque eles me custaram um bom dinheiro, que se fosse hoje seriam aplicados em potes, pratos, porcelanas, etc...
E com todas essas tarefas ainda tenho que estar sempre bonita, querida,  gentil e bronzeada e com o corpitcho em dia para que meu bofe não ache nenhuma popusuda da praia mais gata que eu. Tá bom pra vocês?
Então minha gente linda, que vocês tenham um final de semana maravilhoso e depois eu conto mais da minha vidinha de Meu Deus certo?
Beijo e me liga!
AloHa!!!!


Ocorreu um erro neste gadget